Fotos
Vídeos
Coração Independente Dourado, 2004
Talheres de plástico translúcido, ferro pintado, corrente metálica, motor, fonte de alimentação, instalação sonora

Canções interpretadas por Amália Rodrigues: Estranha Forma de Vida (Alfredo Rodrigo Duarte/Amália Rodrigues), Maldição (Joaquim Campos da Silva/Armando Vieira Pinto), Gaivota (Alain Oulman/Alexandre O'Neill). Autorização de IPLAY - Som e Imagem/(P) Valentim de Carvalho.

385 x 225 x 50 cm

Coleção Georges Marci, Gstaad

Coração Independente Dourado apresenta-se sob a forma de um enorme coração de Viana, peça icónica da filigrana portuguesa, pacientemente preenchido com talheres de plástico vermelho. Suspensa a partir do eixo, a obra executa um movimento rotativo circular, evocativo dos ciclos da vida e do eterno retorno, acompanhado pelo som de três expressivos fados, Estranha Forma de Vida, Gaivota e Maldição, interpretados por Amália Rodrigues, diva da música portuguesa da segunda metade do século XX. O título da peça é precisamente retirado de um dos versos do primeiro fado, da autoria de Alfredo Duarte (Marceneiro) e Amália Rodrigues, cuja lírica evoca o conflito entre emoção e razão. Ao multiplicar o uso de vulgares talheres de plástico até à abstração da sua forma original, para os converter numa obra de arte inspirada numa valiosa peça de filigrana, os referentes inicias surgem transfigurados por novos esquemas sociais e artísticos sugeridos, expondo, assim, a artificialidade das fronteiras traçadas entre luxo e banalidade. Coração Independente Dourado apresenta-se como uma poderosa e emotiva instalação sonora e cinética dedicada ao amor, um dos temas recorrentes nas líricas do fado.

2016 Joana Vasconcelos - Textures of Life, ARoS Aarhus Kunstmuseum, Aarhus


2010 Sem Rede, Museu Colecção Berardo, Lisboa


2009 Amália, Coração Independente, Museu Colecção Berardo, Lisboa


2009 Post-War & Contemporary Art: Evening, Christie's, Londres


2007 Crossing Dialogues: Joana Vasconcelos vs. Carlos Bunga, Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, Edifício Justus Lipsius, Bruxelas


2004 Coração Independente Dourado, Restaurante Eleven, Lisboa


Skira,et al - LOVE. L'arte contemporanea incontra l'amore. Genebra-Milão: Skira, 2016.


DINESEN, Pernille Taagaard; HØYERSTEN, Erlend G.; MARTÍNEZ, Rosa - Joana Vasconcelos: Textures of Life. Aarhus: ARoS Aarhus Kunstmuseum, 2016.


LIPOVETSKY, Gilles,et al - Joana Vasconcelos. Porto: Livraria Fernando Machado, 2011.


AMADO, Miguel; LEBOVICI, Elisabeth; ZAYA, Octavio - Joana Vasconcelos: Sem Rede. Lisboa: Museu Colecção Berardo, 2010.


SILVA, Paulo Cunha e - Joana Vasconcelos. S. Mamede do Coronado: Bial, 2009.


ALMEIDA, Bruno de,et al - Amália: Coração Independente. Lisboa: Museu Colecção Berardo, 2009.


CHRISTIE'S - Post-War and Contemporary Art. Evening. King Street, London June 30. Londres: Christie's, 2009.


LAGEIRA, Jacinto; RUBIO, Agustín Pérez - Joana Vasconcelos. Lisboa: ADIAC Portugal; Corda Seca, 2007.


Portugal em Bruxelas. Lisbon: Instituto Camões, 2007.


MELO, Alexandre; SAMPAIO, Jorge Pereira de; CRESPO, Nuno - O Nome que no Peito Escrito Tinhas. [s.l.]: [s.e.], 2005.


MARTÍNEZ, Rosa - La Biennale di Venezia - 51st International Art Exhibition: Allways a Little Further. Veneza: Marsilio, 2005.